Fechar
Publicidade

Internacional

Publicado em quinta-feira, 7 de outubro de 1999 às 15:27 Histórico

Bispos alemaes escrevem carta sobre o aborto ao Papa

Doze bispos alemaes escreveram uma carta ao Papa contendo os "persistentes questionamentos" da Igreja na Alemanha sobre o desejo do Vaticano de deter as atividades dos centros de aconselhamento sobre o aborto, segundo a ediçao desta quinta-feira do Frankfurter Allgemeine Zeitung (FAZ).

A carta, em nenhum momento, deve ser entendida como uma intençao dos bispos de "pressionar o Papa ou ameaçá-lo, para conseguir uma modificaçao das instruçoes de Roma", de acordo com o jornal.

Os bispos esperam receber uma resposta durante os encontros previstos com o Santo Padre no mês de novembro.

A Conferência Episcopal alema nao quis confirmar ou negar a existência da carta.

O Vaticano havia enviado uma carta aos bispos alemaes pouco antes de sua reuniao no sínodo de outono em Fulda (centro), em setembro, ordenando à Igreja que deixasse de se envolver nos 270 centros de aconselhamento católicos sobre o aborto dos 1.690 que existem na Alemanha.

O aborto nao é proibido na Alemanha durante as primeiras doze semanas de gravidez, desde que as mulheres apresentem um documento atestando que procuraram orientaçao num dos centros.

Parar de entregar esses certificados ameaça o próprio funcionamento desses centros, para grande pesar de numerosos católicos alemaes que confiam no poder dissuasivo que exercem os centros sobre as mulheres.

A diocese de Paderborn (sul) anunciou no final de setembro, a suspensao da entrega dos certificados a partir de 1 de janeiro do ano 2000. Precursor isolado, o bispo ultraconservador de Fulda, Johannes Dyba, havia aplicado a medida desde 1993.



Veja Também

Tags


Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook! Lembre-se que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Diário do Grande ABC