Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 24 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8338

Região possui 4.457 policiais

Nario Barbosa/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Índice é de um policial para cada 605 habitantes; delegacias destacam operações, mas admitem que precisam de mais profissionais


Yara Ferraz
do Diário do Grande ABC

07/03/2016 | 07:07


O Grande ABC possui média de um policial para cada 605 pessoas. No total, são 4.457 homens, sendo que 3.312 representam a PM (Polícia Militar) e 1.145, a Civil. A Delegacia Seccional de Diadema não forneceu os números.

Apesar de parecer pouco, de acordo com os especialistas, a comparação é relativa, já que cada cidade tem características próprias, sendo mais importante o planejamento. “A polícia tem o sistema Infocrim, no qual as regiões são ocupadas de acordo com os índices criminais. Não é algo linear, cada região é diferente da outra”, contou.

Porém, quem trabalha diariamente no combate ao crime assume que esse número poderia ser melhor. Conforme o delegado seccional de São Bernardo, Aldo Galiano Júnior, o principal problema é o deficit de escrivães. “A função não pode ser substituída por funcionários de outras carreiras. O governo foi sensível e foram criados cargos, que estão aguardando o início de profissionais”, disse.

Enquanto isso não acontece, ele afirmou que os inquéritos estão sendo redistribuídos. Outro problema citado por Galiano Júnior é relacionado às aposentadorias. “Foram três só nesta semana (semana passada). Por enquanto não houve prejuízos para o trabalho, mas estamos aguardando o término do curso, já que o policial não pode atuar sem isso.”

A delegacia, que foi responsável pela desarticulação de quadrilha especializada em assaltar caixas eletrônicos na semana passada, tem foco no combate ao crime organizado e na queda de roubos.

Periodicamente as unidades efetuam operações pontuais. Nos dois primeiros meses deste ano foram 59 pessoas presas em flagrante, 49 recapturados e 36 quilos de drogas apreendidos.

O delegado assistente da Seccional de Santo André (também responsável por Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra), Marcos Alexandre Cattani, também afirma que mais policiais seriam bem-vindos. “O efetivo tem dado conta das atribuições, porém, está abaixo do que consideramos ideal para as demandas que enfrentamos.”

O principal foco dos agentes é a diminuição dos roubos na região, já que os índices com letalidade tiveram baixa nas cidades. “Mensalmente é realizada atuação de campo com ênfase no combate desse crime. Há dois meses implantamos operação mensal em que cada unidade policial dos quatro municípios realiza prévio mapeamento dos locais, dias e horários de maior incidência de roubos e faz atuação específica.”

SSP - A SSP (Secretaria da Segurança Pública) informou que o orçamento da área neste ano é de R$ 20 bilhões. A Pasta destacou que estão em andamento concursos públicos para contratação de mais 2.000 soldados e há 5.561 policiais em formação nas academias da PM. “Há ainda 129 candidatos a delegado, 788 a escrivão e 1.384 a investigador que já foram aprovados em concurso público. A designação dos policiais é feita com base em critérios técnicos e leva em conta os índices criminais de cada região”, disse, em nota.

Desde 2011,a região recebeu 389 viaturas para a PM (investimento de R$ 19,5 milhões) e 116 para a Polícia Civil (R$ 8,1 milhões). No mesmo período, foram contratados 898 policiais militares e 159 policiais civis.  

Cidades mantêm 1.364 guardas-civis municipais

Corporação que também auxilia na Segurança da região, a GCM (Guarda Civil Municipal) mantém 1.364 profissionais. A única cidade que não tem integrantes é Rio Grande da Serra. São Bernardo e Diadema não forneceram informações ao Diário.

Desde 2014, quando a presidente Dilma Rousseff (PT) sancionou a Lei 13.022, a corporação passou a ter poder de polícia, podendo atuar em ocorrências e até dar voz de prisão. Além disso, permanecem outras funções, como a preservação dos prédios públicos.

Santo André é responsável por 616 guardas, com concurso em andamento. A preservação da vida, patrulhamento das unidades e instalações municipais, além da preservação do meio ambiente e apoio às forças de Segurança estaduais e federais são as principais atribuições.

Em Mauá, que mantém 216 profissionais, a Prefeitura está se organizando para iniciar processo seletivo ainda no primeiro semestre deste ano. A corporação atende por ano, em média, 1.400 ocorrências.

A cidade assume que a falta de efetivo é uma dificuldade. “Essa demanda deve ser suprida pelo concurso previsto para 2016. Segurança pública é tratada como prioridade em Mauá. Entre as conquistas, desde 2013, estão a estruturação do marco regulatório da Segurança pública; aparelhamento (24 novas viaturas, novas fardas e armas) e criação da corregedoria da GCM”, disse, em nota.

São Caetano, responsável por 420 profissionais, é a única cidade que realizou concurso no ano passado para a contratação de 54 guardas-civis. Os aprovados iniciarão nos próximos meses o estágio de meio ano antes de serem integrados. Atualmente, a Prefeitura trabalha com comissão da GCM e com o Sindicato dos Servidores na reformulação do estatuto da guarda de São Caetano.

Em Ribeirão, são 112 guardas. A previsão é que um concurso seja realizado no começo do ano que vem. A corporação também admite falta de efetivo, mas afirma que atende todos os chamados feitos pela população por meio do número 153.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados