Fechar
Publicidade

Domingo, 17 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Cultura & Lazer

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

Bachata faz mexer os quadris

Nario Barbosa/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Casal da região é referência no Brasil do
estilo de dança, que mistura variados ritmos latinos


Vanessa Ratti
Especial para o Diário

07/03/2016 | 07:00


 Os movimentos sensuais e o ritmo quente do casal Laura, 44 anos, e Rodrigo Piano, 34, contagiam qualquer um. Eles envolvem o público com a bachata. Mesmo pouco conhecida no Brasil, é dança que está conquistando os fãs de dança de salão. A bachata, que conta com batuques de bongô e guira (instrumento de percussão), é destinada para quem gosta de mexer os quadris. É chamada por muitos de um híbrido de bolero com chá-chá-chá e tango. Original da República Dominicana, surgiu no fim dos anos 1950 e se popularizou nos anos 1980.

O Grande ABC tem importância no segmento. Isso porque o casal de São Bernardo é um dos mais importantes representantes do ritmo no Brasil. Juntos, eles conquistaram o terceiro lugar no prêmio Casal Bachata 2015 na categoria effect dance (dança de salão). Laura, por sua vez, foi eleita uma das dez melhores professoras do País pelo Baila Mundo Brasil, conhecido como o Oscar da dança de salão. O casal promove workshops por toda a região com o objetivo de popularizar o ritmo.

A bachata foi responsável por unir os professores. “Conheci o estilo na Espanha, em 2004. Chegando aqui procurei outras referências, mas não encontrei”, conta Piano. Já Laura, se apaixonou pelo estilo depois de experimentar outros tipos, como a dança de salão e o balé. “Sempre gostei muito de dançar. Quando me apresentaram para a bachata fiquei apaixonada pelo swing. Eu e o Rodrigo nos conhecemos em uma das aulas”, conta a dançarina.

Além de divertimento e sensualidade, o professor defende o ‘poder’ da dança para recuperar a socialização entre as pessoas. “Se cada um reservasse um tempo para dançar regularmente, o mundo seria muito melhor. Nas aulas, ninguém pode pegar no celular. É um momento de curtir”, conta.

OUTROS RUMOS
Ainda no anonimato dentro do Brasil, o casal acredita que a bachata precisa ser mais divulgada. Laura defende que a porta de entrada do ritmo no País é a veiculação nas rádios. “O ápice de um artista ou estilo é quando ele vai para as rádios. Mas a gente não vê uma sintonia só para este ritmo. A banda Cheiro de Amor, por exemplo, relembra um pouco os batuques. Nós precisamos de mais espaço”, afirma.

Além da banda, outros cantores – na maioria sertanejos – utilizam o som de bongô e guira, também utilizado na salsa, que lembram a bachata, só que de forma eletrônica. As músicas Como é Que a Gente Fica, da dupla Henrique e Juliano, e Te Dou um Beijo, de Michel Teló, são alguns exemplos.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados