Fechar
Publicidade

Economia

Publicado em domingo, 30 de julho de 2000 às 20:00 Histórico

Empresas partem para a quarteirizaçao

Um novo conceito na gestao de negócios começa a ser difundido no mercado. É a quarteirizaçao, uma evoluçao da terceirizaçao, que começa a provocar muita polêmica. A expressao nao é recente, mas foi resgatada com o lançamento do livro Quarteirizaçao - Redefinindo a terceirizaçao, da Badejo Editorial, de Newton Saratt, Adriano Dutra da Silveira, Rogério Pires Moraes e Arlindo Daibert.

O mecanismo da quarteirizaçao é simples. Começa quando a empresa concede a terceiros a execuçao de atividades internas, como alimentaçao, jardinagem, limpeza, impressao e departamento de pessoal. Esta parceria está bastante difundida e visa reduzir custos, redefinir perfis e tornar as empresas mais competitivas. Com a consolidaçao deste processo é que surge uma outra empresa para gerir as relaçoes entre a tomadora de serviços e a terceirizada. Na quarteirizaçao, a funçao básica é fiscalizar o trabalho de terceirizaçao e propor alternativas.

Um dos autores do livro, Newton Saratt enumera três fatores importantes para que uma empresa contrate uma quarteirizada em vez de usar o próprio controle interno. ``Reduçao de custos, pela redefiniçao das estruturas de controle internas; eliminaçao dos riscos jurídicos e econômicos decorrentes da terceirizaçao; e preservaçao da imagem do cliente no mercado, mediante a seleçao e o acompanhamento das terceirizadas''.

A polêmica surge quando a quarteirizada passa a ser uma empresa da administraçao pública. Na opiniao de Arlindo Daibert, agências reguladoras - como a Anatel e a Aneel - sao bons exemplos de quarteirizaçao. ``A Anatel pratica a quarteirizaçao toda vez que precisa fiscalizar ou punir a Telefônica ou a Telemar. O problema é que os administradores da agência nao têm consciência de que, na prática, realizam essa funçao'', ressalta.

A tese nao é reconhecida por empresas públicas que, teoricamente, sao contratadas com esse objetivo. A assessoria de imprensa da Anatel diz nao reconhecer o termo. Define a agência como uma ``autarquia especial, administrativamente independente, financeiramente autônoma e que nao se subordina hierarquicamente a nenhum órgao de governo''.



Veja Também

Tags


Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook! Lembre-se que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Diário do Grande ABC