Publicado em quarta-feira, 7 de janeiro de 2009 às 15:55

Depressão melancólica tem tratamento


Eliane de Souza
Do Diário do Grande ABC

Incorporar notícia

A melancolia, tão evidente em períodos de mudança, pode ser na verdade um grave problema de saúde. Um tipo de depressão que boa parte das vezes leva à perda da capacidade de sentir prazer na vida, com grande sofrimento para os portadores da doença, em especial, as pessoas idosas.

De acordo com o especialista em transtornos do humor Teng Chei Tung, do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas, em São Paulo, é preciso distinguir a tristeza, uma emoção universal, do sofrimento representado pela depressão melancólica, que tem características incapacitantes e não pode ser controlada pelo paciente sozinho, necessitando de tratamento clínico.

Segundo o especialista, há cinco tipos principais de depressão: a melancólica, a atípica, a psicótica, a sazonal e a ansiosa.

Ele ressalta que a depressão melancólica é uma das menos conhecidas pela população. "Como pode atingir os idosos, é muitas vezes confundida como uma condição da idade, atribuindo sintomas da melancolia como esquecimento e desânimo a características da velhice, o que não é verdade", diz.

Até bem recentemente esses pacientes não procuravam os médicos psiquiatras - situação que vem mudando em virtude da maior aceitação dos tratamentos dos males da mente e da divulgação de informações, cada vez maior, a respeito dos mesmos. "Ainda assim, existem algumas pessoas com quadro de depressão melancólica não identificado", afirma Teng.

De acordo com o psiquiatra, alguns sintomas clássicos desse tipo de depressão são os pensamentos negativos, a idéia de morte constante, um desencanto sem fim, tédio, uma inatividade forte e, principalmente, perda de apetite e insônia. Em relação aos outros tipos de depressão, tem uma "vantagem" para sua percepção: enquanto as demais podem ser mascaradas, a melancolia é indisfarçável, está constantemente presente no rosto e na expressão do doente. "Além do abatimento físico que todos notam em função do emagrecimento do indivíduo", afirma o especialista.

Como forma de tratamento, ele recomenda o uso de medicamentos, associado à psicoterapia e exercícios físicos. "Os primeiros antidepressivos traziam muitos efeitos colaterais e até hoje a medicação deve ser acompanhada com cuidado e sempre pelo médico", explica o especialista.

Atualmente, diz ele, novos estudos e descobertas fazem com que medicamentos atuem de forma mais segura nos diversos tipos de depressão. Uma das substâncias mais adequadas, em especial nos casos de depressão melancólica, é a mirtazapina, que não tem efeitos colaterais importantes, pode ser associada a outros medicamentos (inclusive outros antidepressivos), não afeta a libido, nem o coração, com bom desempenho na recuperação do apetite e na melhoria do sono.

É uma doença relativamente fácil de tratar, podendo ser, inclusive, bem controlada, desde que haja diagnóstico rápido e efetivo da doença. Para isso, o apoio familiar é muito importante, até para a percepção dos sintomas, já que exames clínicos normais não acusam o problema. Mais informações no Ipq (Instituto de Psiquiatria) do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP.



Veja Também

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook! Lembre-se que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Revista Playboy Revista Sexy Palmeiras Corinthians São Paulo Santos Santo André São Bernardo São Caetano Diadema Ribeirão Pires Mauá Rio Grande da Serra Grande ABC Ronan Maria Pinto

Action 'Detalhe :: Index', Execute: 0,007s, Render: 0,284s.