Fechar
Publicidade

Setecidades

Publicado em terça-feira, 15 de março de 2011 às 07:31 Histórico

A luta incansável pela adoção tardia

 

Muitos pais que desejam adotar uma criança não sabem por onde começar. Além dos requisitos burocráticos, é necessário saber se família tem condições físicas e emocionais para abrigar o filho; em outros casos, o que falta mesmo é o incentivo.

O Geaa-SBC (Grupo de Estudos e Apoio à Adoção de São Bernardo) dedica-se ao trabalho de orientação há 12 anos e conquistou a aprovação de pais e o elogio das autoridades. "O Geaa-SBC realiza um trabalho muito significativo. Caso eles não existissem, os processos de adoção seriam mais complicados e demorados", afirmou o juiz da Infância e Juventude de São Bernardo, Luiz Carlos Ditommaso.

"Eles ajudam em tudo e explicam realmente o que é a adoção. Funcionaria até para pais de filhos naturais", sustentou a gráfica Rita de Cássia Frias, 49, mãe de um filho adotivo e com processo em andamento para outra adoção.

A idade foi o fator que impediu Rita e seu marido, Antonio João Frias, 48, de terem filhos biológicos. "Casei com 33 anos, e já era tarde para ser mãe." Com 40 anos, ela adotou seu primeiro filho, que foi um menino recém-nascido.

A escolha de Rita é comum à maioria dos pais que procuram adotar uma criança. Bebês são os mais procurados, o que dificulta o trabalho. "Quase todos os pais procuram recém-nascidos. Equivocadamente, acreditam que estes serão mais dóceis e terão melhor comportamento", explicou a coordenadora do Geaa, Marta Yamaoka.

Com isso, crianças com mais de 7 anos e os grupos de irmãos ficam têm muita dificuldade de encontrar uma nova família. "Quanto mais restrita for a busca, mais tempo vai demorar o processo de adoção. Não é uma indústria de produção. Nossa luta é e sempre foi pela adoção tardia", declarou o juiz Ditommaso.

 

SÓCIO

Quem quiser ajudar a entidade pode se tornar um sócio da instituição, e pagar mensalidade de R$ 10 mensais. Contribuições de valores maiores também são aceitas. Segundo a coordenadora, a associação é mantida por cerca de 20 pessoas. "Não temos tantos encargos, já que não abrigamos crianças", contou Marta.

A organização trabalha com sete abrigos do município, que cuidam de crianças e jovens de até 18 anos. De acordo com Marta, 160 processos de cadastro estão em andamento na cidade.

Todo mês, a entidade organiza eventos e grupos de discussão. "Ver crianças que estão adotadas há mais de dez anos e saber que elas foram acolhidas e se desenvolveram é o que nos dá mais alegria", completou a coordenadora do instituto.

 

Casal mudou de ideia e adotou menino de 4 anos

 

O casal de contabilistas Karla Cristina Rodrigues de Oliveira, 41, e Evandro Ribeiro de Oliveira, 39, sempre conversou sobre adoção. Depois de casados e com problema de infertilidade, buscaram orientação do Geaa-SBC para ter um filho.

No início, a busca era por um recém-nascido. "Eles me mostraram que não existe essa necessidade. Problemas podem ocorrer com qualquer idade. Abriram nossa cabeça e então adotamos nosso primeiro filho", declarou Karla.

A contabilista refere-se ao menino de 4 anos, que hoje está com 12. "Conhecemos nosso filho em uma festa de confraternização do grupo, e logo percebemos que era a criança certa. Não tem como explicar. Foi amor à primeira vista", relembrou a mãe.

Logo que chegou à nova família, o garoto era muito calado por conta de traumas vividos antes de chegar ao abrigo. Mas não demorou para que o relacionamento entre os pais e criança fosse estabilizado. "Foi tudo muito rápido e natural. Acredito que o amor da família e dos amigos fiz com que ele se soltasse rapidamente," afirmou Karla.

Após ganhar a confiança do filho, o casal se cadastrou para a segunda adoção. Desta vez, uma menina recém-nascida. "Queríamos uma diferença de idade de um filho para o outro", explicou.

 

Família cresceu com a chegada de cinco filhos adotivos

 

O engenheiro Richard Cotrufo e a dona de casa Neide de Souza Lima Cotrufo passaram 15 anos casados e nunca pensaram em ter filhos. Quando ambos tinham 38, decidiram que era o momento de adotar uma criança. Hoje, o casal tem cinco filhos adotivos. Todos com a ajuda do Geaa-SBC. "Minha vontade era de ter dez. Mas ai não conseguiria criar", brincou Neide.

O primeiro pedido era por uma menina de até 2 anos de idade. Quando conseguiram, o casal percebeu que a criança tinha um irmão um ano mais velho. "Ficamos com ela e já entramos com um pedido para ficar com o irmão também, que foi nos cedido posteriormente", contou a mãe.

Depois, Neide e Richard descobriram mais um casal e quiseram adotá-los. Os encontros da entidade foram fundamentais para a última adoção. "Vi uma menina em um encontro da associação e me encantei", disse a dona de casa.

A menina mais nova hoje tem 10 anos. A diferença é pequena entre os filhos, já que os outros têm 12, 13, 14 e 15. "Nunca planejei nada. Foi acontecendo." Neide também explicou que todos sabem que são filhos adotivos e inclusive acompanham a dona de casa nos encontros organizados pelo Geaa-SBC. "Tive algumas dificuldades, mas sempre foram contornadas. Todos também quiseram saber dos pais biológicos, mas nunca me deram problema."



Veja Também

Tags


Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook! Lembre-se que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Diário do Grande ABC