Publicado em domingo, 2 de maio de 2010 às 07:31

Amigos de jovem morto em briga em Santo André fazem passeata


Deborah Moreira
Do Diário do Grande ABC

Incorporar notícia

Cerca de 500 pessoas participaram, ontem, de uma passeata no bairro Jardim, em Santo André, organizada por amigos do estudante de arquitetura Bruno Felipe Rodrigues de Souza, 23 anos, morto por causa de uma briga iniciada no trânsito, na madrugada de 24 de abril, que terminou em frente à casa de Rafael Romão Mota, 21, que teria pegado a arma do pai e efetuado os disparos.

Durante todo o trajeto, amigos e parentes da vítima, vestindo roupas brancas, pediam paz, justiça, batiam palmas e gritavam o nome do jovem, muito emocionados. A manifestação foi organizada por amigos pelo telefone e pelas redes sociais na internet.

A concentração ocorreu no Paço Municipal, onde a mãe da vítima, a consultora empresarial Sonia Aparecida Rodrigues, 55 anos, agradeceu a presença de todos, pediu pelo desarmamento e lembrou dos últimos momentos do filho. "Um dia antes, ele disse para ficarmos tranquilos que ele morreria quando chegasse a sua hora", declarou Sonia. Depois, o grupo fez uma oração e alguns amigos fizeram homenagens. Uma delas foi a estudante de arquitetura Luciene Dlugasz, 22 anos, que leu, muito abalada, um texto sobre a personalidade alegre do amigo, que ganhou o apelido de Esquisito quando adolescente. "O visual dele era sempre diferente, composto por dreads no cabelo", lembrou o estudante Felipe José Maurício, 24, que conheceu Bruno no colégio, há mais de 10 anos.

"Os amigos da faculdade organizaram a passeata para mostrar que o Bruno era da paz, do bem, amigo de todos, além de ser um esportista", relatou o pai, o engenheiro Paulo Sérgio de Souza, 55 anos. Além de correr profissionalmente, o pai acompanhava o filho nas competições de natação. Em uma das centenas de camisetas confeccionadas com imagens do estudante, havia uma foto dele quando foi campeão brasileiro de natação, no Chile, em 2009. Hoje, um grupo de 13 competidores deve correr com a camiseta na Maratona de São Paulo.

Pertences - Celular, carteira, anel e uma corrente de prata. Esses eram os pertences de Bruno que deveriam ter sido entregues à família. "Estão faltando o anel e a corrente, que têm valor sentimental. Na delegacia disseram que o Rafael (Romão Mota) teria levado, depois de ter reconhecido como sendo dele. Queremos justiça e esclarecer todos esses enganos", disse a mãe, Sonia. O crime foi registrado no 4º DP.



Veja Também

Tags

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook! Lembre-se que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Revista Playboy Revista Sexy Palmeiras Corinthians São Paulo Santos Santo André São Bernardo São Caetano Diadema Ribeirão Pires Mauá Rio Grande da Serra Grande ABC Ronan Maria Pinto

Action 'Detalhe :: Index', Execute: 0,026s, Render: 0,047s.