Política

Suzantur reduz ainda mais frota de ônibus em Mauá, relata Paço


Concessionária do transporte público de Mauá há cinco anos, a Suzantur reduziu ainda mais a frota de ônibus no município. Requerimento assinado pela então prefeita Alaíde Damo (MDB), que voltou ao posto de vice na semana passada com o retorno de Atila Jacomussi (PSB) ao cargo de prefeito, revela que a empresa opera na cidade com 25 veículos a menos que o exigido na licitação, realizada em 2014.

Em 3 de maio, Alaíde encaminhou ofício à Câmara informando que a Suzantur roda na cidade com 223 veículos, enquanto que o edital da concorrência pública a qual a companhia sagrou-se vencedora exigia 248 ônibus, todos zero-quilômetro. O documento assinado por Alaíde tratava-se de resposta a questionamentos feitos pelo vereador governista Irmão Ozelito (SD). Naquela ocasião, a emedebista havia acabado de herdar a chefia do Executivo em decorrência do impeachment de Atila, aprovado em abril e que foi anulado pela Justiça paulista no dia 9.

A frota de coletivos em Mauá já havia sido reduzida pela Suzantur, com anuência do governo do então prefeito Donisete Braga (hoje no Pros, à época no PT). Em março de 2017, já durante o governo Atila, a administração reconheceu, também em documento oficial endereçado ao Legislativo mauaense, que a Suzantur operava no município com 236 carros, ou seja, 12 a menos do que o que fora acordado em contrato. O valor da concessão é de R$ 6,2 milhões, pelo período de dez anos.

Dois meses depois de informar à Câmara sobre a frota da Suzantur, a então prefeita recuou e, de novo em retorno a requerimento de Ozelito, não quis ou não soube atualizar esses dados. Questionada novamente sobre essas informações, a gestão Alaíde alegou que estava “averiguando” e “aguardando” levantamento solicitado à Suzantur, em decorrência da “grande quantidade de veículos”, indicando fragilidade no controle municipal sobre o transporte público.

Desde janeiro de 2018 o Diário revela a manobra da Suzantur para ofertar à cidade menos ônibus que o exigido. O desrespeito às exigências da licitação teve aval formal do governo Donisete para os anos de 2015, 2016 e 2017. O caso é investigado pelo Ministério Público.

Se por um lado reduz a frota de ônibus em Mauá, por outro a empresa vende, por cerca de R$ 5,8 milhões, parte de seus veículos às companhias do empresário Baltazar José de Souza, como mostrou o Diário ontem (leia mais abaixo).

Questionada sobre quantos veículos compõem a frota atualmente, a Prefeitura de Mauá não se manifestou. Em recente entrevista horas depois de obter liminar para retornar ao cargo, Atila garantiu que cobrará da Suzantur o cumprimento integral do contrato de concessão.

Firma se cala sobre reaproximação com Baltazar

Questionada ontem novamente sobre a reaproximação com o empresário Baltazar José de Souza, a Suzantur, cujo proprietário formal é Claudinei Brogliato, não se manifestou sobre o caso.

O Diário revelou na edição de ontem que a recente venda de 39 ônibus da Suzantur para as empresas de Baltazar marca o ponto final à queda de braço travada pelos dois grupos desde que o então prefeito Donisete Braga (Pros) encerrou contratos com as companhias de Baltazar e assinou vínculo com a firma de Brogliato, entre os anos de 2014 e 2015. A briga foi parar nos tribunais, mas a Justiça validou as ações do Paço à época.

A compra e venda dos ônibus, segundo apurou o Diário, custaram cerca de R$ 5,8 milhões.

O negócio foi confirmado pelo administrador judicial do grupo de Baltazar, Ewerson Dias Moreira. “Estamos renovando as nossas frotas, comprando ônibus com dois ou três anos de uso, casos desses 39 adquiridos da Suzantur, que circulavam em Santo André”, disse, ao desconversar sobre reaproximação entre os dois grupos. “Trata-se de coincidência (a compra de ônibus da Suzantur). Também adquirimos veículos de empresas do Rio de Janeiro, Goiânia e Brasília.” 

Comentários


Veja Também


Suzantur reduz ainda mais frota de ônibus em Mauá, relata Paço

Concessionária do transporte público de Mauá há cinco anos, a Suzantur reduziu ainda mais a frota de ônibus no município. Requerimento assinado pela então prefeita Alaíde Damo (MDB), que voltou ao posto de vice na semana passada com o retorno de Atila Jacomussi (PSB) ao cargo de prefeito, revela ...

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:
Voltar