Memória

A moça do Riacho, às vésperas dos 100 anos


Augusta Bisognini Brentegani, adorável senhora do Riacho Grande, 100 anos a serem completados amanhã. Todo um testemunho da transformação geográfica mais radical sofrida por São Bernardo e pelo Grande ABC, que foi a formação da Represa Billings, que ela viu subir no ano de 1927. A menina Augusta tinha 11 anos de idade.

Pois Augusta nasceu quando o Grande ABC se chamava São Bernardo e era formado por um único município – hoje são as sete cidades que dão título a esta editoria do Diário.

Leia Mais

Dona Augusta e familiares seguiam para a Vila de São Bernardo, para Santos ou para São Paulo pelo Caminho do Mar – a Via Anchieta ela também viu construir.

O que pouco mudou foi a Estrada do Rio Acima, serpenteando entre os braços da represa. Ali ela nasceu. Por ali passava o jovem galanteador italiano Bruno. Trocavam linha, sob os olhares vigilantes e severos do pai, Luiz Bisognini, italiano como o futuro genro: Bruno, de Peschiera Del Garda; Luiz (ou Luigi), de Sarego, de Lonigo.

A casa de dona Augusta, construída em área elevada fora do limite das águas da represa, ocupa uma verdadeira colônia familiar, junto a filhos e netos.

Uma história de amor, a de dona Augusta, com quatro filhos que amam a história, a partir da caçula Anselma, a historiadora da família, que tem reunido centenas de imagens, milhares de informações, com o apoio de todos, a começar da mamãe Augusta, honra e glória de todos nós, batateiros.

ÁLBUM DE FAMÍLIA
Augusta nasce em 8 de agosto de 1916, sendo registrada em 17 de agosto.
Pais: Luiz Bisognini e Mariana Zaia.
Irmãos: Amélia Suster, Maria Catharina Pires, Antonio Bisognini, José Gino Bisognini, Nair Bernardelli, Assunta Rossi, Américo Bisognini, Artilio Bisognini, Ida Bisognini, Ermelino Bisognini, Antonieta, Valdomiro Bisognini e Theodora Santos.
O casamento: em 28 de abril de 1951 com Bruno Brentegani.
Filhos: Sueli, casada com Atilio Rigo; Rubens, casado com Neide; Bruno, casado com Maria Aparecida; Anselma, casada com Osvaldo.
Netos: Tatiane e Marcelo, Mariana e Leonardo, Francine e Bruno, Mayara.
Bisnetos: Manoela, Isabela e Ian (a caminho).

A luz que não chegava
Depoimento: Augusta Bisognini Brentegani
Não havia luz elétrica no bairro dos Finco. A represa foi feita para fornecer luz, mas demorou muito para a eletricidade chegar por aqui. À noite, depois do jantar, arrumávamos a cozinha e nos reuníamos na sala. Uma vela no meio da mesa iluminava o suficiente para que fizéssemos bordados. Sei fazer bordado até hoje, e faço. Não uso óculos nem tenho dor de cabeça. Nada me dói.

De uma gravação que fizemos em 2012 com dona Augusta.

Diário há 30 anos

Quinta-feira, 7 de agosto de 1986 – ano 29, edição 6205
Manchete – Governo proíbe o comércio de telefones
Santo André – Estado libera recursos em dez dias para desapropriar o conjunto Centreville.
Movimento Sindical – Previdenciários da região aderem à greve.
Primeira Divisão – Ontem, no Pacaembu: Corinthians 1, Santo André 0.

Em 7 de agosto de
1916 – A guerra. Do noticiário do Estadão: na frente italiana, encarniçadas ações de infantaria no Monte Siet.
1971 – TV Gazeta grava em vídeotape o baile promovido pelo clube da Rhodia, com a presença da cantora Martinha e de Os Vips: promessa de exibição na semana seguinte.
Apolo-15 conclui missão com êxito e desce no Oceano Pacífico.

News Seller há 50 anos
Domingo, 7 de agosto de 1966 – ano 9, edição 431
Manchete – Falhas gritantes na execução das obras públicas: inércia de Zampol (Fiorante, prefeito).

Santos do dia
São Caetano de Thiene (1480 – 1547) fundou a Ordem dos Teatinos Regulares. É o padroeiro da cidade de São Caetano e ganhou livro escrito pelo jornalista Glenir Santarnecchi.
O nome São Caetano foi dado à fazenda dos beneditinos do antigo Tijucuçu – nome primitivo da cidade – quando da sua instalação, em princípios do século 18.
Colaboração: Padre Evaldo César de Souza, CSsR
Sisto II e Companheiros
Vítricio

Municípios Brasileiros
Celebram seus aniversários neste dia 7 de agosto: Cipotânea (Minas Gerais), Conceição do Tocantins (Tocantins), Feliz Deserto (Alagoas), Kaloré (Paraná), Laranjeiras (Sergipe), Painel (Santa CatarinaC) e Passo Fundo (Rio Grande do Sul).

Processo do MMDC, irmanados na sociedade
“Estou em 2016, e aos que pensam que a história da Revolução Constitucionalista acabou, engana-se. A Sociedade Veteranos de 32 – MMDC existe para que ela nunca acabe, e assim como o MMDC do 24 de maio, a Sociedade Veteranos de 32 também organizou-se e potencializou-se em dezenas de núcleos, espalhados por uma enorme terra bandeirante.”
Cf. Rodrigo Gutenberg, professor com formação em História, in Para sempre 32 (Editora Matarazzo, 2016). 

Comentários


Veja Também


Voltar